O tabu da alta rotatividade

Notícias

images/
Alterar o tamanho da fonte do texto:

[07/02/2012] O tabu da alta rotatividade

Executivos apontam que é possível construir carreira sólida no setor de contact center

O setor de contact center é um dos maiores empregadores de país. Hoje ele emprega mais de uma milhão de pessoas, segundo a ABT, Associação Brasileira de Telesserviços. E esses números crescem cerca de 10% ao ano. Para 2012, estão previstas cerca de 100 mil novas vagas. Por não exigir experiência, o setor acaba por ser a porta de entrada de muitos jovens no mercado de trabalho, sem pretensão de fazer carreira. Com isso, o mercado sofre com a alta rotatividade. Resta às empresas desenvolverem ações para reter os talentos.

"Em call center há um estigma do profissional de operador de telemarketing, ficando o desafio e a criatividade para as empresas em desenvolver e tornar o plano de incentivo mais atrativo ao colaborador", na opinião de Marisa Nunes, analistas de recrutamento da Voxline. Para Renata Santos Oliveira, coordenadora de recrutamento e seleção, o que deve ser considerado é o reconhecimento do profissional dentro da empresa e no mercado, "ou seja, torná-lo mais competitivo, gerando oportunidades, fortalecendo habilidades".

Uma conquista gradativa do setor é o crescimento da remuneração. Há também os benefícios que são os maiores atrativos, como remuneração variável,  vale alimentação, assistência médica, seguro de vida e Universidade Coorporativa, com custo subsidiado pela empresa. Na opinião de  Guilherme Gazeti, diretor da Alert Brasil, estes são bons incentivos oferecidos pelas empresas interessadas em reter os talentos garimpados nas operações.

Do outro lado, Cida Garcia, diretora de talentos humanos da Algar Tecnologia, comenta que a postura e desempenho do colaborador, diante das funções e lideranças, são os principais aportes para se destacar. "É importante que o interessado, seja proativo, em todos os sentidos. Além, principalmente de desempenhar bem o papel, como operador, e isso significa não somente bater as metas propostas, mas, assumir desafios, atuar de modo inovador e diferenciado, se dispor a realizar atividades que vão além do básico", indica.

O diretor de relacionamento com pessoas da Atento, Flávio Henrique Ribeiro, reforça que o profissional precisa estar atento às oportunidades oferecidas internamente e também na qualificação que o mercado proporciona para o seu contínuo desenvolvimento. "No caso da Atento, nós valorizamos as competências individuais e propiciamos um ambiente em que eles possam, caso tenham interesse, desenvolver ascender em sua carreira, estimulamos seu crescimento pessoal e profissional", afirma.

Fonte: callcenter.inf.br

O tabu da alta rotatividade